+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login
+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login

SA resorts ameaçados enquanto jihadistas ocupam as ilhas de Moçambique

A ocupação das ilhas ocorreu um mês depois de os insurgentes ligados ao Estado Islâmico ocuparem a estratégica cidade portuária de Mocímboa da Praia.

Jihadistas no norte de Moçambique ocuparam duas pequenas ilhas no Oceano Índico na semana passada, ameaçando o turismo e o tráfego marítimo na região onde um projeto multibilionário de exploração de gás offshore está sendo desenvolvido, disseram moradores na sexta-feira.

As ilhas ocupadas são Mecungo e Vamizi, parte do arquipélago das Quirimbas conhecido como um paraíso de mergulho e férias, e também é o lar de uma série de resorts de férias de luxo, muitos deles envolvendo interesses sul-africanos. As ilhas resort populares nas proximidades incluem a Ilha Ibo e a Ilha Medjumbe.

Não está exatamente claro qual é a situação em relação aos resorts e sua segurança, já que as notícias vindas da região são, na melhor das hipóteses, irregulares.

 

A ocupação das ilhas ocorreu um mês depois de os insurgentes ligados ao Estado Islâmico ocuparem a estratégica cidade portuária de Mocímboa da Praia, que servia para a entrega de cargas para o desenvolvimento do projeto de gás.

Testemunhas disseram à AFP que os militantes tomaram o controle das ilhas de Mecungo e Vamizi na noite de quarta-feira da semana passada.

“Eles chegaram à noite em pequenos barcos de pesca. Eles retiraram as pessoas das casas e depois as incendiaram ”, disse um homem que fugiu de Mocímboa da Praia para a ilha de Mecungo.

“Não feriram ninguém, apenas deram ordens para deixar as ilhas”, disse por telefone, acrescentando que se mudou para o interior, para a cidade mineira de rubi de Montepuez, depois de navegar para o continente e depois fazer uma viagem de autocarro para Montepuez .

As ilhas eram habitadas principalmente por pessoas deslocadas internamente que fugiram de suas aldeias no continente, onde os ataques aumentaram.

Outra testemunha disse que antes que as casas fossem incendiadas, os insurgentes se reuniram com as pessoas e instruíram todos a deixar a ilha.

“Eles nos reuniram e nos disseram para fugirmos se quisermos viver. Acho que todos saíram da ilha ”, disse um pedindo para não ser identificado.

As forças do governo ainda lutam pela retomada do porto de Mocímboa da Praia desde sua ocupação em 12 de agosto.

Os ataques dos militantes em Cabo Delgado tornaram a rede rodoviária entre a capital provincial Pemba e a região do gás em Palma, intransitável.

O transporte marítimo foi a alternativa para mercadorias e pessoas.

Mas a gigante francesa do petróleo Total, que está investindo US $ 23 bilhões no projeto de exploração de gás, disse que não depende mais do porto ocupado de Mocímboa da Praia.

“O Mozambique LNG não está usando Mocímboa da Praia como um centro logístico e de fato construiu suas próprias instalações marítimas,” disse Total em uma resposta por e-mail a perguntas.

A polícia provincial não quis comentar sobre a ocupação das ilhas.

No sábado, suspeitos de jihahistas emboscaram dois caminhões de carga que transportavam passageiros de Palma para o distrito de Nangade, perto da fronteira com a Tanzânia.

Duas fontes militares não identificadas confirmaram o ataque, que ocorreu perto de um posto do exército a 40 quilômetros de Palma.

“A assistência foi prestada, mas no momento duas mortes e muitos feridos estão confirmados”, disse um soldado que testemunhou o ataque, explicando que um dos caminhões bateu em uma árvore.

Um oficial de alta patente em Palma disse que a emboscada aumentou significativamente o nível de ameaça representado pela insurgência.

“Os veículos circularam sem escolta militar porque partimos do princípio de que o percurso era seguro”, disse à AFP.

“With this attack we can assume that we are isolated from the rest of the province and the country. Right now the only safe way to get in and out of the Palma is by air.”

“We are surrounded and at this moment the defence and security forces have neither the conditions nor the capacity to repel the insurgents from Palma and recover Mocimboa da Praia,” confided another military officer based in the town.

Fonte: Club Of Mozambique

 582 total views,  2 views today

Leave a Reply