+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login
+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login

TAP. Fim do contrato com White põe em risco mais de 120 trabalhadores

 305 total views,  28 views today


O Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (Sitema) lamentou hoje que a TAP tenha decidido terminar o contrato com a White Airways e alertou que põe em risco mais de 120 postos de trabalho.

Em comunicado, o sindicato “lamenta a decisão da TAP de terminar antecipadamente o contrato com a White Airways, pondo em risco mais de 120 postos de trabalho, entre eles seis técnicos de manutenção de aeronaves”.

“O Sitema não concebe que seja vantajoso retirar trabalho a uma empresa portuguesa para atribuí-lo a uma empresa da Estónia, pondo em risco dezenas de empregos qualificados e fazendo com que a TAP tenha de desembolsar dezenas de milhões de euros adicionais pela renúncia antecipada do contrato”, sublinhou.

O sindicato voltou a acusar a administração de TAP de desinvestir nos técnicos de manutenção de aeronaves, “que continuam a despedir-se e a optar por outras oportunidades”, apontando que, desde o início do ano, já saíram 60 técnicos da companhia.

Em 19 de outubro, a TAP comunicou o lançamento de um pedido de proposta a vários operadores para um contrato de prestação de serviços para dois aviões ATR, em substituição da White Airways, cujo contrato termina em 31 de outubro.

Segundo a TAP, “das cinco propostas recebidas, a melhor oferta para operar dois ATR está a ser negociada e vai proporcionar a necessária regularidade operacional e evitar o impacto financeiro negativo que a TAP tem sofrido até agora devido à falta de fiabilidade da White”.

De acordo com a transportadora, “só durante o último ano, a White Airways teve uma média mensal de 10 eventos AOG (Aircraft on Ground) devido a razões técnicas”, sendo que “entre novembro de 2021 e setembro de 2022, razões técnicas resultaram num agregado de 342 voos cancelados, com uma média de 31 voos cancelados por mês”.

“Só em setembro de 2022, a White teve 84 voos cancelados por razões técnicas”, referiu a empresa, adiantando que “em 2022 (acumulado), a White Airways tem 1,9 AOG por 100 voos, contrastando com a relação da TAP de 0,52 AOG por 100 voos. A White Airways operou 94% dos voos planeados, enquanto na TAP esta percentagem sobe para 98,2%”, destacou.

A TAP assinalou que, “desde janeiro de 2022, o baixo desempenho da frota ATR operada pela White teve um impacto financeiro negativo na TAP de 4,8 milhões de euros devido a cancelamentos, necessidade de troca de aviões com aumento de capacidade e indemnizações aos passageiros”.

Em abril deste ano, uma notícia do Negócios dava conta das dificuldades da White Airways, que pertence ao grupo Omni Aviation, referindo que a empresa estava mesmo em risco de insolvência.

Em comunicado enviado no domingo, a White Airways disse ser “vítima das opções da TAP contra o emprego e a economia nacional”, classificando o comunicado da companhia aérea de “inusitado e insultuoso”.

“Para tentar justificar um ato de gestão em que a TAP, altamente capitalizada com recursos públicos, troca uma empresa portuguesa, que não recebeu nenhum apoio do Estado além dos disponibilizados para toda a economia, por uma empresa da Estónia, propriedade do Estado e apoiada por este no âmbito das compensações pelos impactos da pandemia, foi emitido um comunicado lamentável, hostil e lesivo do nome da empresa no tom e no conteúdo”, acusou a White.

A companhia de aviação ‘charter’ considerou que o “problema estrutural da manutenção da Portugália” condicionou a sua operação e foi o “ponto central da construção de uma narrativa para a troca de uma empresa portuguesa por uma empresa não nacional, com prejuízo para o emprego, um ativo nacional e a economia nacional”.

Veja mais neste Site

Veja esta e mais NotÍcias

Leave a Reply