+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login
+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login

A Tanzânia à mercê de um presidente negacionista

 90 total views,  2 views today

publicado: 19/02/2021


Em junho passado, o presidente John Magufuli declarou a Tanzânia livre da pandemia de Covid-19. Desde então, o país não atualiza estatísticas sobre a doença: os números estancaram em 509 casos e 21 mortos, embora os hospitais estejam abarrotados de infectados, relatados como doentes com pneumonia ou problemas respiratórios. Na saga por eliminar vestígios do vírus, o presidente desprezou o uso de máscaras, os bloqueios e o distanciamento social.

O governo age como se não houvesse pandemia. Magufuli dedica-se agora a propagar uma contundente campanha de desinformação sobre as vacinas, que ele rechaça como método de eliminar a doença. Orienta os tanzanianos a não serem cobaias e a não aceitarem os imunizantes doados à África, por serem “parte de uma conspiração do Ocidente para roubar a riqueza do continente”.

O negacionismo reflete o método de Magufuli, de 61 anos, para comandar o país. Eleito em 2015 e reeleito em outubro passado, o presidente tanzaniano relega a ciência em prol da religião e consolida o regime autoritário no culto à personalidade.

John Magufuli, presidente da Tanzânia, vota em 28 de outubro de 2020 — Foto: Stringer/Reuters
John Magufuli, presidente da Tanzânia, vota em 28 de outubro de 2020 — Foto: Stringer/Reuters

Seu governo difunde receitas caseiras — uma bebida à base de gengibre, cebola, limão e pimenta — para eliminar o vírus, que ele atribui ser proveniente de um demônio ocidental. Enquanto os vizinhos Quênia, Ruanda, Uganda e Malaui acirram a disputa pelas vacinas e organizam programas de distribuição, a Tanzânia deliberadamente rejeita os imunizantes.

Cristão devoto, John Magufuli contraria a Igreja Católica ao afirmar com veemência que Deus poupou o país da Covid-19. As mortes de seu secretário-chefe John Kijazi e do vice-presidente da região semiautônoma de Zanzibar, Seif Sharif Hamad, esta semana, também contradizem a narrativa do presidente.

Sem estatísticas oficiais, tanto seus 60 milhões de cidadãos quanto a OMS e os países fronteiriços — todos afetados pela pandemia — estão no escuro sobre a extensão da doença na Tanzânia. Como previu recentemente John Nkengasong, diretor dos Centros Africanos para Controle e Prevenção do Doenças, “não cooperar tornará a pandemia perigosa para todos.”

Embora tenha sido repreendido pela OMS pela lenta atuação, o presidente tanzaniano se mostra indiferente às críticas. Magufuli chegou ao poder com o rótulo de incorruptível. No primeiro dia de governo, saiu à caça dos funcionários fantasmas, aparecendo de surpresa no Ministério das Finanças. Dispensou centenas de servidores que constavam da folha de pagamento, mas não trabalhavam. Suspendeu viagens ao exterior e cancelou as comemorações da independência para poupar despesas.

Fonte:

Leave a Reply