+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login
+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login

LAM Coloca À Venda Os Dois Embraer 190AR Comprados Em 2009

 841 total views,  4 views today

Publicado  em: 14/06/2021


A LAM – Linhas Aéreas de Moçambique tem a sua frota de aviões Embraer 190AR à venda desde há alguns meses. Os aparelhos encontram-se fora D.

O assunto é novamente abordado pelo jornal ‘Notícias’ de Maputo, que na sua edição desta segunda-feira, dia 14 de junho, destaca declarações de Raimundo Matule, administrador do Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE), entidade que tutela a companhia aérea moçambicana, cuja maioria do capital é estatal.

Matule reconhece que a LAM enfrenta problemas estruturais que acabam por afectar a gestão, e justificou que não faz sentido que uma companhia pequena como a LAM esteja a voar com aviões de três a quatro marcas diferentes. Trata-se de uma medida que, segundo afirma “visa melhorar o desempenho e minimizar os custos operacionais da companhia de bandeira”.

Os atuais responsáveis pela LAM decidiram optar pelo phase-out dos Embraer, hoje com cerca de uma década de serviço na companhia e procurar uniformizar a frota, nomeadamente a que se dedicará ao tráfego doméstico e regional.

A LAM – Linhas Aéreas de Moçambique tem a sua frota de aviões Embraer 190AR à venda desde há alguns meses. Os aparelhos encontram-se fora d

O assunto é novamente abordado pelo jornal ‘Notícias’ de Maputo, que na sua edição desta segunda-feira, dia 14 de junho, destaca declarações de Raimundo Matule, administrador do Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE), entidade que tutela a companhia aérea moçambicana, cuja maioria do capital é estatal.

Matule reconhece que a LAM enfrenta problemas estruturais que acabam por afectar a gestão, e justificou que não faz sentido que uma companhia pequena como a LAM esteja a voar com aviões de três a quatro marcas diferentes. Trata-se de uma medida que, segundo afirma “visa melhorar o desempenho e minimizar os custos operacionais da companhia de bandeira”.

Os atuais responsáveis pela LAM decidiram optar pelo phase-out dos Embraer, hoje com cerca de uma década de serviço na companhia e procurar uniformizar a frota, nomeadamente a que se dedicará ao tráfego doméstico e regional.

Uniformização da frota com Boeing 737 e DHC Dash 400-8

“Se fosse possível operar apenas com uma marca, nós avançamos para essa estratégia, mas está visto que devido às condições do próprio país não podemos operar uma marca”, referiu o administrador do IGEPE. Para defender esta tese, Raimundo Matule deu o exemplo de Vilankulo, onde a pista é bastante curta, o que não permite a aterragem de um Boeing 737.

“Então, a primeira marca que vai ficar é o Boeing, para as pistas mais longas, e para as mais curtas vai-se operar com o Q-400. Isto significa que a LAM vai passar, gradualmente, a operar com essas duas marcas”, explicou o responsável ao ‘Notícias’ de Maputo.

No ano passado o IGEPE injetou na LAM cerca de 700 milhões de meticais (cerca de 9,5 milhões de euros). “Devido à crise originada pela pandemia da covid-19, as receitas da empresa caíram a pique, um cenário que ainda não tem fim à vista, pelo menos enquanto a situação pandémica e as restrições dela decorrentes persistirem”, diz o jornal moçambicano.

Mesmo diante deste cenário, Matule considerou nas suas declarações ao ‘Notícias’ que, neste momento, “a privatização da LAM está fora de hipótese, até porque a companhia tem uma missão estratégica para manter o país sempre ligado, via aérea, mesmo nas situações em que algumas províncias não oferecem rotas economicamente viáveis”.

A LAM adquiriu, entre 2009 e 2012, três aviões Embraer E-190AR à fábrica brasileira, que passaram a ser utilizados nas suas rotas domésticas e para aeroportos de outros países africanos, nomeadamente para Angola e República da África do Sul.

Em novembro de 2013 o avião mais recente, o C9-EMC (MSN 581), que entrara ao serviço, novo de fábrica, em 1 de novembro de 2012, foi perdido num acidente, provocado pelo comandante da aeronave que se trancou no cockpit e cometeu suicídio. O aparelho caiu em território da Namíbia, tendo morrido os 28 passageiros e seis tripulantes que viajavam entre Maputo e Luanda (Angola).

Disponíveis para venda estão o C9-EMA (MSN 301) e o C9-EMB (MSN 309), recebidos de fábrica em agosto e setembro de 2009, respectivamente.

 

Fonte: 

NewsAvia

Leave a Reply