+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login
+258 84 422 6560 Info@safetravel.co.mz       | B2B Portal

Login

Sign Up

After creating an account, you'll be able to track your payment status, track the confirmation and you can also rate the tour after you finished the tour.
Username*
Senha*
Confirmar Senha *
Nome*
Apelido*
Data de Nascimento *
Email*
Celular*
País*
* Creating an account means you're okay with our Terms of Service and Privacy Statement.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step

Already a member?

Login

Disney, HSBC, Uber e Latam entre as maiores demissões da era da pandemia

01 outubro 2020.


A pandemia do novo coronavírus trouxe uma nova realidade em todo mundo: foco na saúde, medidas de distanciamento social e esforços para encontrar uma vacina. Todo a louvável luta para evitar a perda de vidas para o vírus também trouxe outras consequências para a sociedade no mundo todo. Uma das sequelas deixadas pela pandemia é a perda de empregos. Na última quarta-feira, 30, o IBGE mostrou que a taxa de desemprego no Brasil bateu recorde, com 13,8% da população procurando ocupação. A situação não é um ônus exclusivamente brasileiro. Em todo o mundo, há fechamento de postos de trabalhos e procura por novos empregos. Em grandes empresas globais — como aconteceu com a Disney, que anunciou o desligamento de 28.000 funcionários nesta semana –, os números de demissões impressionam, e mostram que os desafios da crise são para todos.

O setor mais afetado pela pandemia foi o de serviços. Além da Disney, a MGM Resorts, que tem hotéis espalhados pelos Estados Unidos e pela China, desligou 18 mil funcionários que estavam afastados do trabalho pela pandemia. O mesmo ocorre com companhias aéreas; a alemã Lufthansa declarou que irá demitir 22.000 funcionários, a American Airlines, outros 19.000.

A onda também chegou no Brasil: a unidade brasileira da Latam, que está em dificuldades financeiras, desligou 2.700 tripulantes. A queda na demanda desses serviços também afeta a indústria ligada aos setores. Por aqui, a Embraer vai demitir 2.500 funcionários. Empresa e funcionários não entraram em acordo sobre os planos de desligamento e a questão foi parar no Tribunal Regional do Trabalho, o TRT.

Outros setores também estão redimensionando a mão de obra: O HSBC, maior banco da Europa, irá desligar 35 mil funcionários em todo mundo nos próximos três anos. Já a Petrobras iniciou um plano de demi plano de demissão voluntária para 11.000 mil pessoas. VEJA reuniu os mais relevantes desligamentos anunciados por empresas globais durante a pandemia:

Demissões em todo o mundo

Grandes empresas anunciaram cortes para readequar a mão de obra a demanda de seus produtos e serviços devido a pandemia de Covid-19.

Fonte: Veja

Segundo a Organização Mundial do Trabalho (OIT), estima-se que houve 17,5% de redução das horas trabalhadas em todo mundo, o que corresponde a 495 milhões de empregos em tempo integral a menos. Com isso, a renda proveniente do trabalho encolheu 10,7%, o equivalente a 3,5 trilhões de dólares. A situação só não é mais drástica porque os governos mundo afora fizeram pacotes de socorro a empresas e trabalhadores. No Brasil, o auxílio emergencial é um exemplo bem sucedido de forma de segurar a renda da população e, no caso dos empregos, o Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e Renda (BEm) evitou demissões no mercado formal. Há 11 milhões de trabalhadores no Brasil que foram beneficiados pela iniciativa.

Mesmo com a estratégia bem-sucedida de evitar grandes demissões por aqui, o mercado de trabalho brasileiro ainda carece de flexibilidade para a retomada e esse é o ponto que preocupa especialistas e o governo para a volta da atividade por aqui. No caso dos EUA, se por um lado as demissões ocorreram em massa, a recuperação é mais rápida e reflete quase que em tempo real o momento da economia do país. Se, em abril — momento mais agudo da crise do novo coronavírus  –, a taxa de desemprego ficou em 14,9%, em agosto, ela já estava em 8,4%. A expectativa é que a tendência prossiga. O número de pedidos de seguro-desemprego, divulgados nesta quinta-feira, 1º, trazem queda nas solicitações pela quinta semana seguida. Os dados oficiais desemprego de setembro serão divulgados na sexta-feira. Por aqui, a reação do mercado é diferente: em abril, a taxa de desemprego estava em 12,6%. Em julho, último dado disponível, chegou em 13,8%. Os dados mostram, implicitamente, a diferença fundamental entre os sistemas de trabalho: nos EUA, assim como em outras partes do mundo, há menos burocracia tanto para as demissões quanto para as contratações, e os postos perdidos podem ser retomados de forma mais rápida.

No caso americano, prevalece a autorregulação do mercado, de acordo com as regras da oferta e demanda da mão de obra. A remuneração por hora trabalhada também prevalece, o que torna os regimes de contratação mais flexíveis. Por aqui, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), com altas cargas tributárias, rege as relações de trabalho formal. Nos Estados Unidos, contrato de trabalho é mais simples, e pode ser revisto a qualquer momento por ambas as partes — muitas vezes, claro, com multas estabelecidas de comum acordo.

Fonte: Veja

 683 total views,  2 views today

Leave a Reply